Minha irmã está grávida!

9 de fev de 2015


Escrevi esse texto em Novembro de 2014, assim que minha irmã deu as boas novas!

Ontem tivemos uma notícia maravilhosa de que mais um bebezinho está a caminho em nossa família. Minha querida irmã é a mais nova gravidinha da família. Como ela acompanhou bem minha gravidez e minha luta para ter um parto descente e mais humanizado, sabendo o quão traumático foi meu primeiro parto “anormal” cheio de intervenções desnecessárias, me senti à vontade pra tocar no assunto e incentivá-la a ter um parto humanizado também.

Na verdade já tínhamos falado inúmeras vezes do assunto, quando eu estava grávida, quando tive um parto humanizado maravilhoso do meu bebê Nicholas, quando meu irmão e cunhada se informaram e se prepararam pra também conseguir ter um parto lindo e humanizado, quando ela relatava do trauma que teve com sua cesárea, quando a anestesia fez um efeito exagerado, atingindo a área do pescoço e fechando a glote (a impedindo de engolir a saliva), por alguns segundos ela achou que iria morrer ali, e desacordou sem poder ver seu bebê nascer....e também imagina minha felicidade quando ela comentou que já havia idealizado seu parto em casa...

Por isso me senti a vontade pra falar na certeza de que ela já havia se convencido de sua capacidade de parir, e na minha paixão pelo assunto eu não consigo avaliar o contexto e acabo sendo inconveniente....no dia em que minha irmã descobre que está grávida acabamos caindo no assunto de laceração...tudo começou eu acho quando eu estava explicando que o parto deve ser gentil, que o certo não é empurrar, mas sim “ respirar o bebê pra baixo”, e assim não haverá laceração ou ela será mínima...e daí eu conto sobre esse vídeo no youtube sobre 3 parteiras super experientes dos EUA em que elas respondiam perguntas e uma das perguntas é: “É melhor cortar ou rasgar?” e elas respondem unânimes: “rasgar”, isso porquê a laceração acaba acontecendo no local correto e cicatriza mais rápido...Mas nesse momento minha irmã já está olhando pra mim num estado de choque e meu marido bravo dizendo: “esse não é o momento pra falar disso”, e o marido dela desaprovando imediatamente concordou com o meu...E comentou que um de seus amigos médicos disse que tem inúmeros casos de gestantes que perderam o bebê porque “passou da hora”...

Eu tentei dizer, “mas eu estou falando nisso exatamente pra te mostrar que não é assim traumático, não tem que ser assim, e se a fase de expulsão é feita com tranquilidade mesmo se houver laceração ela será mínima e sem dor, de fácil recuperação...e nem consegui comentar sobre o famoso “passar da hora”... quando meu marido repetiu:
“Mas não é o momento de falar disso...” E todos concordaram. Inclusive eu, mas foi tão difícil me segurar... Mais tarde levando a bronca do meu marido eu chorei, me senti péssima, como uma bruxa assustando minha irmã sobre o parto, e tudo o que eu queria fazer era o contrário, era falar pra ela o quanto é lindo e natural, e que ela não deve ter medo da dor...

Eu me senti como um peixinho frágil nadando contra a corrente. Se fico quieta a cultura cesarista vence, se tento falar sou muito passional e assusto. Me sinto tão injustiçada como mulher. Um parto lindo me foi roubado mas no segundo eu me empoderei e consegui, e tudo o que eu quero é falar pra todas as mulheres que elas também são capazes, que se eu consegui elas também podem, que tem muito mito e muita mentira nos enganando por aí, que não é tanta dor assim se você encarar com naturalidade e trabalhar com seu corpo nesse momento...

Eu acredito na minha irmã e em sua força e sei que ela vai tomar a melhor decisão pra ela e seu bebê, mas fico triste por ter que brigar contra essa corrente que vê o nascimento natural como um filme de terror, como um assunto delicado que pode traumatizar, que deve ser adiado até ser tarde demais. 

Queria muito que fosse diferente, que a empolgação e preparação para o momento do nascimento de nossos bebês acontecessem com a mesma dedicação com que arrumamos o enxoval e o quartinho.

Antes de encerrar o assunto, como ativista apaixonada que agora sou, ainda tentei avisar à minha 
irmã e cunhado, e essa é uma mensagem importante que sempre dou às gestantes que encontro: caso desejem ter um parto natural, vocês precisam se informar e se preparar, para ter confiança, segurança e tranquilidade no trabalho de parto, e ser capaz de tomar decisões informadas e não deixar que outros tomem decisões por vocês.

Relato do meu Parto Humanizado do Nicholas

Após as 40 semanas a ansiedade começou a apertar, completei no domingo e combinei com meu marido que se nada acontecesse até quarta, iríamos pra São Carlos ficar lá e esperar. Na quarta nada, pensamos, ah esperamos até quinta. Na quinta decidimos ir pra casa do meu irmão em Ribeirão Preto assim já estávamos mais perto. Na sexta fomos então pra São Carlos. Ficamos num hotel muito gostoso e confortável e como não tínhamos muito a fazer, só nos restava relaxar, nadar e... Tirar fotos embaixo d'água!!!